“Homens são aqueles que ajudam as mulheres a estruturarem a família. As mulheres têm pai, marido, filhos… Ajudando os homens eu também ajudo as mulheres”.

“A medicina para mim não foi bem uma escolha. Foi algo natural, uma espécie de herança. De certa forma, fui influenciado pelo meu pai Elsior Coutinho, que era médico, farmacêutico e professor de farmacologia. Ele ensinava como extrair remédios das plantas, coisa que meu avô fazia, apesar de não ser formado. Meu avô era um prático da medicina e meu pai, com certeza, inspirou-se nele.”

Dr. Elsimar Coutinho

Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino

O Hipogonadismo de Início Tardio, também chamado de síndrome de deficiência de testosterona associada à idade, popularmente conhecida como "Andropausa", ou DAEM - Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino é uma síndrome associada à idade avançada e caracteriza-se por sintomas e por níveis de testosterona insuficientes, ou seja, abaixo dos níveis de referência para um homem adulto saudável.

O DAEM não acontece em todos os homens, mas, quando ocorre, é normalmente a partir dos 50 anos de idade. O processo é semelhante ao que ocorre na menopausa. A partir dessa idade, há um declínio da taxa de testosterona no sangue, que é o hormônio masculino, responsável por todas as características típicas do homem.

O sintoma associado de maneira mais frequente ao Hipogonadismo de Início Tardio (DAEM) é a baixa libido, podendo estar acompanhada de outras manifestações como disfunção erétil, diminuição da massa e da força muscular, aumento da gordura corporal, densidade mineral óssea diminuída e osteoporose, vitalidade diminuída e humor deprimido. Esta condição pode resultar em um declínio significante na qualidade de vida e pode prejudicar a função de sistemas orgânicos.

A grande diferença entre a menopausa, que acontece na mulher, e a andropausa, é que, no homem, não há interrupção de nenhum processo natural do corpo. Já na mulher, a menopausa está diretamente associada à função ovariana. Por não haver processos interrompidos, a medicina já vem tentando mudar o termo andropausa pelo termo "Declínio hormonal do homem idoso".

DAEM e Sexualidade - Com a perda das características masculinas, o homem tende a se sentir incapaz de conquistar, de desejar, e até de competir por qualquer mulher. Os casados perdem a intimidade e a regularidade sexual com a parceira, já que não há interesse pelo sexo. Tendem a achar que a mulher não tem mais interesse sexual por eles. Os solteiros tendem a recuar e não disputar a atenção das mulheres, deixando de desfrutar, assim, de um sexo maduro natural nessa idade.

Frequentemente os homens que sofrem com a queda dos níveis hormonais, sentem-se diminuídos com a presença de homens mais jovens. E julgam-se despreparados ou "fora do páreo" na disputa pela conquista de alguma mulher. Todos esses sentimentos mexem com a auto-estima masculina. Por muitas vezes, essa baixa auto-estima acaba por interferir nas posturas dentro da área profissional, social e conjugal. Detonando assim a virtude de liderança e competitividade nas relações inerente ao homem saudável.

Alguns estudos feitos pela Universidade da Califórnia, por exemplo, revelaram que baixos níveis de testosterona podem aumentar as chances de morte entre homens acima de 50 anos. Justamente para evitar que a situação chegue a esse ponto, o tratamento deve ser iniciado logo ao se verificarem os primeiros sintomas. Para isso, o homem deve conhecer muito bem o seu corpo para perceber as pequenas alterações iniciais. A partir daí, médico especializado deve indicar qual o tratamento a ser feito.

Fatores de risco e diagnóstico - Os fatores de risco para o aparecimento do hipogonadismo em homens mais velhos incluem doenças crônicas, como diabetes mellitus, doença pulmonar obstrutiva crônica, artrite inflamatória, doenças renais e doenças relacionadas ao sistema imunológico, obesidade, síndrome metabólica e hemocromatose.

O diagnóstico do declínio hormonal pode ser feito através de exames laboratoriais. Entre eles estão o exame de sangue que detecta o índice de testosterona, o espermograma que mede a quantidade de espermatozóide, o urológico, a densitometria óssea e a ecografia da próstata e abdômen. Constatado o quadro de DAEM ("andropausa"), o paciente deve ser encaminhado para avaliação sobre os tratamentos e necessidades particulares.