Bahia, menos violência, mais felicidade

O estudo intitulado Mapa da Violência 2006 – os Jovens do Brasil, revela que a taxa de homicídio na Bahia caiu de modo dramático nesse período. Um pouco melhor só estão 5 estados, todos com população muito pequena como Tocantins, Piauí, Rio Grande do Norte, Maranhão e Santa Catarina.Nos demais estados a violência, predominantemente de jovens contra jovens, é até três vezes superior à da Bahia.

Segundo o autor os dados mais surpreendentes se referem à cidade do Salvador que entre as capitais saiu do 6° lugar em 1994 para o 19° lugar. Os campeões da violência são o Rio de Janeiro, Pernambuco, Espírito Santos e Brasília, seguidos de Amapá, Alagoas, Paraná, Rondônia e São Paulo. Minas Gerais está em 12°, o Rio Grande do Sul em 15° e o nosso vizinho Sergipe em 18°.

O autor não tem explicação para a extraordinária virada da Bahia e, sobretudo da cidade do Salvador, um fato que só tem precedente em fenômeno semelhante que ocorreu em Nova York cuja criminalidade começou a cair drasticamente quinze anos depois da legalização do aborto.

Os analistas da OEI provavelmente desconhecem o que foi feito na Bahia nos últimos vinte anos de ação do Centro de Pesquisa e Assistência em Reprodução Humana (CEPARH). Aqui não foi necessária a legalização do aborto, mas em compensação houve uma vigorosa doutrinação da população no sentido de evitar a gravidez indesejada através do planejamento familiar iniciada por nós há mais de 20 anos e que dura até hoje.