A mulher moderna

“Nós estamos aqui por causa delas e nada mais justo do que dedicar meu trabalho ao bem-estar e à saúde das mulheres.”

Dr. Elsimar Coutinho

Contracepção

A contracepção é uma das principais preocupações entre as mulheres em idade fértil.

Por conta disso, aumentam as atenções voltadas para o assunto e para a procura por métodos contraceptivos, que são justamente as formas de prevenir ou reduzir as possibilidades de gravidez.

Mas a contracepção ultrapassa o aspecto pessoas e individual das mulheres, tornando-se uma discussão mundial, principalmente no que diz respeito ao uso dela para promover o controle de questões sociais e ambientais, como o aquecimento global, o esgotamento dos recursos naturais, a superpopulação e as políticas voltadas para o planejamento familiar.

MÉTODOS

São inúmeros os métodos contraceptivos disponíveis no mercado. Eles podem ser divididos em cinco grupos assim conhecidos: métodos de barreira, comportamentais, hormonais, cirúrgicos e dispositivos intra-uterinos.

A escolha de um dos métodos deve acontecer com a ajuda de um profissional de saúde capacitado para isso, que fará uma avaliação das necessidades e do organismo de cada pessoa, levando em consideração as vantagens e desvantagens de cada uma das opções de contracepção. Durante a escolha, são avaliados aspectos como a saúde geral da mulher, a frequência das relações sexuais, se a mulher deseja ter filhos no futuro, os efeitos colaterais em potencial, o nível de conforto durante o uso do método, dentre outros. Nos "links" ao lado você pode conhecer mais sobre os principais métodos utilizados atualmente.

IMPLANTES HORMONAIS

O tratamento com implantes hormonais é realizado por meio da implantação subcutânea de um segmento de tubos de silicone semipermeáveis. Esses tubos medem de 4 a 5cm e comportam cerca de 50mg de uma substância hormonal pura, que pode ser estradiol e testosterona bioidêntica, ou progestínico.

Após a implantação, o hormônio é liberado gradativamente na corrente sanguínea, de maneira segura e com dosagem personalizada, por um período de seis meses a um ano.

Entre os principais motivos que fazem com que os Implantes Hormonais sejam extremamente bem aceitos pelos pacientes, estão:

  • Eficácia: os resultados alcançados por meio do método são surpreendentes;
  • Praticidade: o paciente só precisa se preocupar com a troca do implante no intervalo de seis meses, ou um ano;
  • Segurança: o método elimina a possibilidade do esquecimento;
  • Controle: garantia de que a dosagem correta será distribuída ao organismo;
  • Bem-estar: a inexistência de efeitos colaterais típicos dos outros métodos de tratamentos, como em TRH por exemplo.

PÍLULAS

A pílula anticoncepcional é um dos métodos mais utilizadas pelas mulheres. O seu uso é feito diariamente, através de ingestão feita geralmente em um mesmo horário. A pílula tem uma pequena quantidade de hormônios parecidos com os que são produzidos nos ovários. A ingestão funciona induzindo o organismo a se comportar como se a mulher estivesse grávida, inibindo assim a ovulação e a gravidez.

DIU

O DIU é um dispositivo intra-uterino, que é inserido por um médico colo do útero da mulher e que tem validade entre 3 e 5 anos. Geralmente são utilizados em mulheres que já tiveram filhos. Esse método impede que o óvulo fecundado se implante no endométrio e se desenvolva. Alguns modelos liberam hormônios, o que pode aumentar a eficácia. Apesar de seguro, o DIU pode agravar problemas como as dores menstruais, possibilitar o aparecimento de infecções dentro do útero, dentre outros.

INJETÁVEIS

Os anticoncepcionais injetáveis funcionam como uma injeção intramuscular composta de hormônios que se parecem com os que são produzidos pelos ovários. As injeções podem ser aplicadas mensalmente ou em intervalos trimestrais. Assim como nas pílulas anticoncepcionais, essas injeções atuam inibindo a ovulação e, consequentemente, a gravidez.

CAMISINHA

O preservativo (ou camisinha) é o mais conhecido método de barreira utilizado. O seu funcionamento é simples e consiste em um obstáculo físico que impede o acesso dos espermatozóides ao sistema reprodutivo da mulher.

O preservativo masculino é uma cobertura dE látex ou poliuretano colocado no pênis. Já o feminino é feito de poliuretano e tem um anel flexível em cada extremidade. Um desses anéis é introduzido na vagina, enquanto o outro permanece fora da vagina.

OUTROS

Existem também outros métodos contraceptivos utilizados. Dentre eles estão a esterilização cirúrgica (que pode ser a ligadura de trompas, em mulheres, e vasectomia, em homens), a tabelinha, que consiste no acompanhamento do ciclo menstrual e na realização da relação sexual nos dias em que não há grandes riscos de gravidez, o aborto induzido, a pílula do dia seguinte, dentre outros.